RESCALDO 23º Troia – Sagres

405110_473393146016456_1117935563_n
Realizou-se no passado dia 15 de Dezembro de 2012 , a 23ª edição do já mítico Passeio Troia – Sagres.
Pela primeira vez decidimos fazer esta experiência e com a logística do regresso a cargo da Xis-Bikes da Quinta do Conde , eu e o Vitor lá fomos á aventura e tambêm á descoberta dos nossos limites.

Este evento nasceu há 23 anos atráz pela mão do Sr António Malvar , dono da Ciclonatur , no ano em que fazia 40 anos de idade como forma de testar os seus limites , e assumiu que o faria todos os anos em Dezembro enquanto tivesse saúde para isso. Ficou definido que seria um efeito para fazer em Bike de BTT normal , com apenas a utilização de pneus de estrada.
Infelizmente pelo que vimos , a tradição já não é o que era , e neste evento a grande maioria foi de Bicicleta de estrada , o que para mim deturpa por completo a ideia inicial deste Mítico Passeio.

Segue-se o Foto-Report:

SAM_7214Depois de chegarmos a Setúbal pelas 5h30 da manhã , preparamos tudo e fomos para a fila para adquirir o bilhete para o Ferry

SAM_7215Conseguimos felizmente apanhar o Ferry especial que saiu de Setúbal ás 6h15

SAM_7216As nossas Bikes repousando antes do longo dia.

SAM_7217O Vitor , eu e o Hélder num momento Kodak

SAM_7218Outro momento Kodak agora com o Paulo da Xis- BikeShop

SAM_7221Já perto de Tróia , onde depois de atracar , iniciamos desde logo o percurso.

028is0Ainda estava muito escuro quando iniciamos a jornada na direcção da Comporta.
Felizmente o dia estava com uma temperatura amena e na fase inicial com um vento moderado , mas prometia chuva , que viria a cair depois de Sto André.

DSC00681Até á paragem que efectuamos no Km 97 em Foros da Pouca Farinha , o tempo piorou , com várias cargas de agua , e com o aproximar a Sines o vento aumentou de intensidade e tornou-se um inimigo.

 

IMG_3963 (Large)Passagem por S. Torpes com muito vento e chuva.

SAM_7226Primeira paragem , Km 97 em Foros da Pouca Farinha

troia-sagres-2010-044Ponte de Milfontes , depois iriamos iniciar uma longa subida sem grande inclinação , mas que moía , até S. Teotónio.

troia-sagres-2010-049Descendo para Odeceixe , onde iríamos ter um parte pernas

PO20071216_0023A inclinada rampa de Odeceixe ao Km 140 , dá que fazer pois já se leva algum cansaço nas pernas.

37697522906282332241474Ao Km 150 entra-se no Rogil , onde fizemos a 2ª paragem , seguia-se a descida para Aljezur , onde Furei

4375032873_de41f10170O anuncio das 2 longas subidas que nos restavam fazer até Sagres.
A Bordeira , fazia-se bem , a inclinação era reduzida , apesar de serem longos Kms.

Já a Carrapateira ao Km 180 dá que fazer , é mais inclinada , apesar de não ser tão difícil quanto a de Odeceixe , mas são 6 Km sempre a subir até ás Eólicas ,  o que a esta altura já se nota e bem o desgaste físico , e no meu caso , principalmente as dores a nível dos Pulsos e dormência nas mãos que já me iam a incomodar bastante.

foto-joao-xavier-a-15-km-de-sagresDepois das Eólicas , foi quase sempre a descer e os últimos 15Km lá se fizeram sem maiores problemas , apesar das pernas já não darem para grandes loucuras.

 

Vila de SagresEram 17h quando chegamos a Sagres.

SAM_7231Foi tempo de rumar ao Parque de Campismo Orbitur pois era ali que estava a logística montada para o Regresso , e fazer a ultima foto antes de arrumar tudo para partir.

Os dados deste Tróia – Sagres:

troiasagresmaptroiasagresaltimFizemos um total de 203Km com 1500m D+ , um total de 9h com uma média de perto de 22Km/h , o que não sendo excelente não é mau para as condições de tempo que apanhamos e para a nossa primeira vez.

Como resumo , é sem duvida um passeio que sendo feito de BTT , sem ser de uma dificuldade extrema , tem nos 200Km de distância a grande dificuldade , que é incrementada pela altura do ano ( Dezembro ) onde o tempo raramente ajuda e o vento quase sempre de frente , a chuva e por vezes o muito frio , causam dificuldades acrescidas.
A parte final do percurso , a partir do KM 120 até ao Km 180 é onde se encontra a maioria do acumulado , com Odeceixe ao Km 140 a ser a rampa mais complicada de fazer.
Acredito que este percurso realizado numa altura mais primaveril seria bem mais fácil e motivante de fazer , mas ficamos felizes por ter pela primeira participado e conseguirmos cumprir a tradição do Mentor da ideia e concluir este desafio.

380608_509937092374507_61302490_nDesde já o nosso cumprimento ao Sr António Malvar , aqui na foto com a sua esposa , no decorrer deste seu 23º Troia – Sagres mais uma vez concluido com sucesso.
Um Bem Haja e até uma próxima.

RESCALDO 7º Passeio S. Martinho do BTT Azeitão

smartinhopromo  Teve lugar no passado dia 11 de Novembro de 2012 o tradicional Passeio de S. Martinho organizado pelo BTT Azeitão , onde estivemos presentes com 4 companheiros , Fernando , Vitor Ribeiro, Luis Loureiro e Rui Vinagre para a 7ª edição deste tão agradável evento.
Ao contrário do ano passado , o Verão de S. Martinho disse presente e o sol embelezou os sempre soberbos trilhos do parque natural da Serra da Arrábida , que mesmo assim ainda tinham em certas zonas algum barro devido ás chuvadas dos dias anteriores.
O Vento esse sim esteve algo forte e em certas zonas foi mesmo cansativo pedalar contra ele.

O evento tinha um percurso de 40Km , mas como optamos por partir e regressar já a pedalar desde Fernão Ferro , acabamos por fazer bem mais.

Aqui ficam os dados do nosso percurso:

smartinhomapasmartinhoaltimetriaFizemos um total de 65Km com 1075m de D+

Agora o Foto-Report:

SAM_7137A Zona do secretariado no Jardim de Azeitão

02 (10)Muitos participantes como é habitual

SAM_7138Fernando , Vitor , Luis e Rui antes da partida

SAM_7135Momento Kodak

04 (1.3)E lá se deu a partida , nos primeiros 2 km atraz do jeep da organização

05 (2)Os primeiros metros por alcatrão

05 (11)Para logo entrarmos nos trilhos

06 (12)Vitor e Rui em bom ritmo.

07 (14)acesso ao trilho do Peru

SAM_7139Momento de pausa esperando pelo Luis que tinha ficado um pouco para tráz.

SAM_7140Ora ai está o Homem , podemos continuar.

08 (9)Fim do trilho do Peru , na aldeia da Maçã

SAM_7141Subindo á aldeia da Pedreira.

10 (11)A entrada nos enlameados trilhos das Pedreiras onde se iria sofrer um pouco

SAM_7144O Rui com uns belos “Donuts” de barro nas rodas….Lol

13 (25)Estávamos a subir para a parte mais alta do percurso , e a vista ia ficando muito agradável.

SAM_7146Agrupando para a foto

SAM_7148E ai estão eles e as bike cheias de Barro.

SAM_7149E depois de mais umas subidas , atingimos o ponto mais alto , no topo da Pedreira grande. A seguir viria a arrepiante descida.

SAM_7151Um patamar da longa e inclinada descida , algo perigosa devido aos regos de agua.

11 (14)Depois de terminar a descida da Pedreira Grande , fizemos o resto do Single até ao Planalto do Risco.

12 (49)Depois de curtirmos os singles do Fojo , chegou-se á longa subida das Marmitas do Gigante.

13 (18)E desceu-se para a estrada dos casais de Calhariz em direcção ao Parral

15 (38)Foi altura para mais um empeno valente , desde o parral até ao alto da Aldeia da Serra , para dai descer-se o single que vai para o parque de merendas.

SAM_7153O Rui no single para o parque de merendas

16 (8)Altura do Abastecimento , e que abastecimento…..Lol

16 (9)Como é tradição , o BTT Azeitão prepara um mega churrasco para o 1º abastecimento

16 (165)16 (31)16 (68)16 (150)16 (139)16 (60)16 (161)16 (135)16 (119)SAM_7155Os 4 atacando sem dó nem piedade tanta fartura de comida e bebida.

SAM_7158Foto de familia com a rapaziada amiga da Bike Clinic

DSCN5697Depois é que foram elas para fazer os últimos Km do percurso , mas lá fomos apenas o Fernando e o Luis , visto o Vitor e o Rui estarem condicionados pelo tempo. Aqui o inicio dos lindissimos trilhos do Alambre.

DSC03983Muita agua no Alambre , sinal das chuvadas dos dias anteriores.

02092009046Mais Alambre , até aos 4 caminhos e dai descemos para o Parque de Campismo dos Picheleiros.

02092009029Depois tivemos o ultimo parte pernas do percurso , o sempre dificil Up Azeitão

O Passeio acabou logo depois , sendo que práticamente nem paramos e regressamos a Fernão Ferro.

Foi mais um delicioso evento organizado pelo BTT Azeitão , onde fazemos gosto de participar , nem que mais não seja pelo sempre magnifico Abastecimento.
Muito Obrigado e até para o Ano.

 

 

RESCALDO Caminho de Fátima 2012 dia 2

Depois de uma noite bem dormida no Hotel Rural Amiribatejo e do pequeno almoço , eram 8h quando nos colocamos a caminho para a parte mais dura do Caminho. Aqui a foto de grupo antes da partida desde os Amiais de Baixo.

E lá se partiu na direcção dos Olhos de Agua.

Já nos Olhos de Agua , um momento de pausa com 3 amigos , o Zé , o Rui e o Miguel , que vieram fazer um mini-caminho de Fátima desde os Amiais

Um grande plano do Vitor exibindo o equipamento da Bike Clinic

E lá se começou a atacar as subidas desde os Olhos de Agua

São uma série de cerca de 3 Km quase sempre a subir , que dá para aquecer e bem….Lol

Uma pequena pausa em Monsanto

E lá se seguiu num pedaço plano antes de chegar ao Covão do Feto

Casou houvessem duvidas , estávamos mesmo no PNSAC

A chegada ao Covão do Feto , com o topo da Serra de Sto António ao fundo , e teríamos de lá ir acima para depois descer para Minde….

E começa o parte pernas , inicialmente por alcatrão mas numa parede com mais de 20% de inclinação

E depois entramos no trilho primitivo dos peregrinos , um caminho que vai incrementando a dificuldade conforme nos aproximamos do topo da Serra.

Cada vez mais alto

Mas a beleza dos trilhos e a camaradagem , minimizava o empeno

O Manuel ia todo contente

O ultimo pedaço da subida com o caminho a ficar muito complicado

O ultimo esforço antes do Miradouro para Minde

Custou mas foi , serra de Sto António ficou despachada , agora ia-se descer para Minde.

Já em Minde , tempo para uma pequena pausa para o Café e um Pastelinho de Nata.

E lá se partiu para o Ataque á Serra de S. Mamede , inicialmente por asfalto

Mas ali á frente entrava-se no caminho primitivo dos Peregrinos.

A fase inicial da Subida , até ao Covão do Coelho é terrível devido ao caminho muito complicado devido á rocha. Aqui as indicações que estávamos no caminho correcto para Fátima e também para Santiago de Compostela

Depois do Covão do Coelho , entrada numa parte maçadora sempre a subir com um piso dificil , com partes de rocha e partes de muita pedra solta que termina nas Eólicas da Serra de S. Mamede.

É uma parte que eu adoro fazer e foi com muita satisfação que lá cheguei ás eólicas.

Momento Kodak com o grupo todo reunido

Das eólicas , seguiu-se por um estradão com melhor piso

Já estávamos cada vez mais perto e felizmente com os empenos maiores já efectuados

A satisfação do Manuel

O ultimo Km para o Santuário

E eram 11h15 quando chegamos , felizes por tudo ter corrido bem e por se ter chegado cedo o que dava para relaxar um pouco antes de partir para a Estação de Chão de Maças.

Foto de grupo já dentro do Santuário com um grande sorriso de satisfação por tudo ter corrido bem. Fomos apenas 3 companheiros desta vez  fazer o caminho completo , e foi mais uma aventura onde a boa disposição e a camaradagem esteve em destaque.  Um bem haja a todos.

Neste percurso desde os Amiais até Fátima , fizemos 35Km com 785m de D+

 

Depois do tempo que se esteve no santuário , foi hora de partir para a Estação da CP de Fátima – Chão de mação pois havia comboio ás 15h para Lisboa e ainda estavamos a 25Km de lá

E lá fomos , estes 25Km foram na totalidade por alcatrão mas teriam na longa subida para Alburitel a maior dificuldade

Descendo para Ourem em alta velocidade

E depois de Ourem , a longa e maçadora subida para Alburitel

O Vitor chegando ao topo da subida , já no centro do Alburitel , dai estávamos a poucos Km sempre a descer da Estação.

E chegamos á estação de Fátima – Chão de Maçãs.
Terminámos aqui mais um caminho de Fátima , foram 2 dias de BTT bem passados e obviamente para o ano que vem , se Deus e a Troika quiserem , pois voltaremos de novo ao Caminho.

Ponto final , com a chegada do Comboio Regional para Lisboa , via entroncamento.

 

A ultima parte do trajecto teve um total de 25Km com 235m de D+.

Os dados totais desta aventura foram um total de 205 Km com um total de 1980m de D+

 

RESCALDO – Caminho de Fátima 2012 – Dia 1

Nos dias 5 e 6 de Outubro , realizamos mais uma vez o Caminho de Fátima , desta vez na alternativa Sul do Tejo.
É uma alternativa ao habitual caminho do Tejo , mas algo mais longa no primeiro dia.

A partida foi de Fernão Ferro ás 7 da manhã do dia 5 , e aqui estava o Manuel , o Vitor e o Fernando a postos para a partida.

Os primeiros metros de caminho ainda em Fernão Ferro

Descendo o primeiro trilho na direcção da Vila Alegre

O lindissimo nascer do Sol por traz da Serra da Arrábida

Chegada á Quinta do Conde

Rolando na zona da Auto-Europa

Passando na Quinta da Marquesa

Perto da Barra cheia

Passando o Viaduto sobre o Caminho de Ferro na entrada da Moita

Chegando á beira do Tejo na Baía da Moita

A beleza do Tejo na Marginal da Moita neste inicio de dia.

Tempo para um momento Kodak

Mais uma foto a salientar a Beleza do lugar , Junto a um Varino do Tejo de nome ” O Boa Viagem ”

Foi hora de partir e seguimos pela ciclovia da Marginal da moita

Depois entramos na Estrada do Rosário

E pouco mais á frente entramos no trilho que nos iria levar a Sarilhos Pequenos

Chegada a Sarilhos Pequenos

Mais uma vez a Beleza do Tejo em Sarilhos Pequenos

Mais um Momento Kodak

E lá seguimos por esta ciclovia na direcção de Sarilhos Grandes

Pelos Singles junto ao tejo em Sarilhos Grandes

Chegada ao Montijo na Zona industrial do Pau Queimado onde seguimos pela ciclovia da LançadaDepois viramos á direita e subimos uma zona residencial e viemos dar a este Single que subia para a Ciclovia da Circular Externa do Montijo.

Fizemos uns Km nela e nesta Rotunda viramos á direita

Á frente entramos na N118 na direcção de Alcochete. Já se viam os primeiros peregrinos a pé neste trajecto conhecido como o Caminho do Sul do Tejo.

Chegada á Rotunda de Alcochete , seguimos em frente em direcção á zona protegida

Momento Kodak em cima da velha ponte sobre a ribeira Vale Michões

Depois entrou-se nos trilhos da Lezíria em Direcção a Pancas. Este trilho foi chato de fazer devido á ondulação do terreno.

A beleza da Paisagem na Companhia das Lezírias

O Manuel testando a habilidade Fotográfica em movimento

Chegando ao fim do trilho , quase 10 Km sem grande desnível mas muito cansativo devido á areia e á ondulação do terreno

Momento de Pausa quando chegamos á N118 na Recta do Porto Alto

Aqui tivemos os 7 Km mais stressantes do percurso , Recta do Porto alto com uma berma muito pequena na maioria do trajecto , com Rails de protecção que deixavam pouco mais de 20 Cm para lá da linha branca e muito transito , principalmente Camiões.

Foi com muito alívio e satisfação que se chegou ao Porto Alto.

Do Porto Alto , seguiu-se em Direcção a Samora Correia por estes caminhos junto á Ribeira de Sto Estêvão.

Entrando num estradão agriculta depois de Samora Correia.

E lá se seguia em Amena cavaqueira e Boa disposição.

Antes de Benavente , fizemos vários Km neste lindissimo single junto aos canais de Rega.

Altura em que estes amigos nos vieram saudar e desejar Bom Caminho.

A chegada a Benavente , nos Jardins junto ao Rio Sorraia.

Foi altura de se atravessar a bonita ponte sobre o Sorraia

E depois atravessar um bonito passadiço de madeira

Passando por baixo da N118

Ai entramos uns Km na N118

Depois do cruzamento da Aldeia do Peixe , viramos á esquerda por esta estrada secundária já em Salvaterra de Magos

Um pouco de estradão com o Vitor bem disposto

Salvaterra de Magos , foto junto á falcoaria real.

Entrada no longo trilho na direcção de Escaroupim. mais um trilho chato com muita areia.

Atravessando a linha férrea depois do Parque de campismo de Escaroupim

A caminho de Porto de Muge

A lindissima Ponte Rainha Dª Amélia e a soberba vista sobre o Tejo.

Seguiu-se um longo estradão até á Ponte de Santarém

A Foto da praxe junto ao monumento que regista a altura das cheias do Tejo.

E foi altura de nos fazermos á longa e inclinada subida para Santarém que termina na Taberna do Quinzena onde tínhamos ideia de ir almoçar e a fome já se fazia sentir.

Ora o sacana do Quinzena estava fechado e tivemos de improvisar e comer noutro restaurante. Não vale a pena referir o nome pois o atendimento foi mau e havia pouca diversidade de pratos. Acabou por se comer um Magusto com Bacalhau e o Vitor uns secretos de Porco Preto.

Momento Kodak no Jardim de Santarém apôs o almoço.

E lá nos pusemos a Caminho dos Amiais de Baixo , para a parte mais dura do percurso com 2 grandes subidas pela frente.

Depois da Ponte do Casal Carvalho , o primeiro prémio de montanha do Dia , numa longa subida  que custou um pouco a fazer com a barriga tão cheia.

No cimo tivemos de repousar um pouco devido ao mau estar que o peso do almoço no estômago causava.

Na zona das Milhariças , cruzamento com um enorme grupo de peregrinos jovens luso – espanhóis que iam a caminho de Fátima , onde as bonitas Espanholas da zona de Sevilha se meteram connosco e convidaram para irmos dormir com elas a Pernes….
Acabamos por não aceitar a oferta pois tínhamos a familia á espera nos Amiáis , mas……Lol

Momento de confraternização depois de uma longa descida e preparando-nos para atacar o pior dos Parte Pernas , a subida ao Talefe e Moinhos de Chã de Maçãs.

Com muito suor lá se fez este longo empeno e foi com grande satisfação que registamos este momento Kodak junto a um dos Moinhos.

E depois dos moinhos , percorremos uns Km por uns lindos singles e eram cerca das 18h quando chegamos aos Amiais de Baixo. Aqui já no Hotel Rural Amiribatejo onde iríamos pernoitar.

Foi um longo dia , e felizmente correu tudo bem e foi com um sorriso nos lábios que terminamos esta primeira etapa do Caminho 2012.

Terminamos com 145Km efectuados e com 960m de D+

Preparativos CAMINHO de FÁTIMA 2012

Será realizado nos próximos dias 5 e 6 de Outubro de 2012 , a edição deste ano do Caminho de Fátima.

Desta vez para que seja diferente da edição de 2011 , iremos partir logo da Margem Sul , Fernão Ferro mais precisamente , onde iremos seguir o Caminho dos peregrinos do Sul do Tejo até Porto de Muge , onde iremos atravessar o Tejo para a margem Norte e dai iremos seguir pelo Caminho do Tejo.

O PROGRAMA será então o seguinte:

DIA 5 de Outubro de 2012:

–  Partida de Fernão Ferro pelas 7h com o Ponto de encontro junto á Igreja de Fernão Ferro.
–  Seguiremos pelo caminho do Sul do Tejo até PORTO DE MUGE , onde entraremos no Caminho do Tejo
–  Chegada a Santarém pela hora de almoço , que acontecerá na TABERNA DO QUINZENA
–  Continuação do resto do caminho com chegada ao fim da tarde a AMIAIS DE BAIXO
–  Estadia no HOTEL RURAL AMIRIBATEJO
–  Jantar no restaurante LAREIRA DO CASAL

DIA 6 de Outubro de 2012:

–  Pequeno almoço no Hotel Rural
–  Partida do Hotel por volta das 8h30
–  Chegada a Fátima por volta da hora do almoço

O primeiro dia terá um total de 135Km com cerca de 650m de acumulado de Subidas.

O segundo dia terá um total de 33,1Km com cerca de 850m de acumulado de subidas.

Chegando a Fátima há 2 opções , ou ficar a pernoitar para domingo dia 7 , ou regressar a Lisboa de Comboio.
Neste ultimo caso , há que ser breve no que se desejar fazer em Fátima , para que se efectue o resto do caminho em direcção á Estação de Fátima – Chão de Maçãs.

Regresso por Comboio:

Esta ligação á Estação de Fátima – Chão de maçãs tem 23,6Km de distância e um acumulado de subida na ordem dos 250m

Pontos Relevantes:

Partida – Igreja de Fernão Ferro

Ponte Rainha Dª Amélia em Porto de Muge – onde iremos atravessar o Tejo da Margem Sul para a Margem Norte

Taberna do Quinzena em Santarém – Local onde iremos almoçar no 1º Dia – http://www.quinzena.com/

Hotel Rural AMIRIBATEJO – http://hotelamiribatejo.no.sapo.pt/

Restaurante Lareira do Casal onde iremos Jantar no primeiro dia – http://www.restaurantelareiradocasal.com/

Santuário de Fátima , onde iremos chegar no 2º dia

Estação de Fátima – Chão de Maçãs – onde quem regresse por comboio se terá de dirigir

Don Gonçalo Hotel & SPA em Fátima , onde irá ficar quem decidir ficar a pernoitar para domingo
http://www.hoteldg.com/

Centro de BTT da PIA do URSO , iremos no Domingo dia 7 efectuar um dos seus 7 percursos pelo PNSAC
http://www.cm-batalha.pt/turismo-e-lazer/centro-de-btt

PROCEDIMENTOS A TER EM ATENÇÃO:

– Vamos em grupo , como tal iremos partir todos e chegar todos , nunca se pode perder um colega de vista e temos de estar atentos a qualquer dificuldade que alguêm possa estar a sentir , ajudando-o de imediato. Nunca se sai do grupo sem se avisar os restantes. Respeitar o nivel de forma e de andamento de todos , ajustar o ritmo e a velocidade a todo o grupo.

-Cumprimentar todos os amigos da natureza e ajuda-los sempre que necessário.

– Tomar cuidado com os animais que possamos encontrar , sobretudo cães que se encontrem na via publica e que se possam tornar uma ameaça , neste caso tentar ou evitar o cruzamento com eles , ou caso não seja possivel tentarmos passar juntos tomando os cuidados necessários.

–  Tomar precaução ao passar por pedestres , sejam eles simples transeuntes ou peregrinos em viagem. verificar se precisam de ajuda caso sejam peregrinos. Saber ser discreto e amável com os outros.

– Minimizar o impacto ambiental , não destruir a natureza , não deitar lixo no chão.

– Respeitar a propriedade privada.

– Iremos por várias vezes circular em estradas nacionais , lembrem-se e respeitem as regras de transito. A fila Indiana é obrigatória nos percursos por estrada nacional.

CREDENCIAL DO PEREGRINO

A quem o desejar , a credencial do Peregrino é pedida no site:

http://www.caminho.com.pt/

Tem o custo de 2,5 Eur + Portes de envio

 

 

 

 

 

 

 

BOM CAMINHO

RESCALDO VIII Passeio da Terrugem


Realizou-se no passado dia 9 de Setembro de 2012 a Oitava edição do Passeio de BTT da Terrugem – Sintra , evento que contou com a minha presença para efectuar o percurso de 60Km.

Este evento tem sido do agrado dos Betetistas no últimos anos , talvez por marcar a Reentré depois das Férias de Agosto , e nesta edição de 2012 teve um record de adeptos da Modalidade que rondaram os 800 Participantes , sendo que cerca de 250 iriam para o percurso maior de 60Km , enquanto que os restantes se iriam dividir pelo Passeio de 35Km e pelo mini passeio de 15Km.

Foi um evento que no percurso maior , contava com alguma dificuldade , criada principalmente pelo tipo de terreno escolhido , com muita pedra solta , longos pedaços de caminho em antiga calçada medieval que devido ao muito mau estado dava que fazer  mesmo a direito , rocha e zonas com algum entulho.
O resultado final foram cerca de 300 desistências , na maior parte dos casos por problemas mecânicos.

Deixo a seguir os dados do Evento:

Fiz um total de 63Km com um acumulado de subidas de 1130m.

Agora o Foto-Report:

Com a viagem para Sintra feita bem cedo , foi soberbo ver o nascer do Sol na Ponte 25 de Abril.

O pessoal agrupando-se dentro do Controle Zero para a Partida.

Eu preparado para a partida

Os primeiros quilómetros pelas ruas da Terrugem

Mais á frente entramos nos primeiros trilhos

E não foi preciso andar muito para começar a aparecer a pedra , neste caso cascalho

A caminho do Magoito , as primeiras rampas com alguma dificuldade

E lá se ia trepando

A entrada no Magoito

E lá se entrou no estradão de acesso á falésia do Magoito

Trilho lindissimo junto á falésia , que já conhecia ( feito no sentido inverso ) do passeio do Magoito

O único engarrafamento do evento , para atravessar o pequeno riacho

Ora aqui está o responsável pelo engarrafamento….Lol

Depois do riacho , a coisa ficou difícil com esta rampa bem inclinada

E depois de um carrossel de pequenas rampas logo seguidas de descidas técnicas , se apanhou esta “Auto-estrada” para o primeiro abastecimento

Km 20 , tempo para comer algo e hidratar , neste ponto era feita a divisão de Percursos.

E lá segui para o percurso maior ,feliz da vida pois agora havia menos gente á volta , já que a maioria foi para os 35Km

Mas se até á divisão já tinha havido alguns pedaços chatos de fazer , agora viria o pior. Esta descida longa foi o inicio das hostilidades e onde se colocou á prova a perícia técnica dos Betetistas.

Descascada aquela descido brutal , apanhamos este estradão a subir

Chegada á zona da Catribana

Aqui na zona da Samarra

Estradões Rurais depois da Assafora

Já perto do Serrado

Apesar de ser sempre a subir , o estradão nesta altura dava para rolar bem

Altura mais íngreme da subida , quando vi um equipamento conhecido….Lol

Era a grande Arquinha de Jesus da BikeClinic que iria ficar em 2º lugar nos femininos.

Até ao Abastecimento dos 30Km fui perto dela , tem de facto um bom ritmo de pedalada , perde apenas um pouco nas subidas , mas anda muito bem de facto.

Atacando esta rampa e depois das casas estava o abastecimento dos 30Km , ela aqui nem parou e eu aproveitei para beber agua , escusado será dizer que nunca mais a vi até á meta onde chegamos com cerca de 15 minutos de diferença , o que é normal pois eu parei em todas as “Estações e apeedeiros”….Lol , ou seja abastecimentos.

Depois do abastecimento , tivemos um “Shot” de adrenalina com 2km duma brutal descida técnica que terminou nas margens do Rio Lizandro , aqui o estradão já junto ao Rio.

A primeira das 9 vezes que atravessamos o Rio Lizandro , sendo que as 5 primeiras já as conhecia do passeio da Arrifana o mês passado.

O caminho pelo meio dos canaviais.

Outra passagem do Rio Lizandro

E aqui tinha inicio a pior subida do percurso , cerca de 6Km sempre a penar

Lá se ia penando

A zona onde a dificuldade era maior , devido á inclinação e ao terreno muito solto

Lá se ia tentando passar algum pessoal mais empenado , mas com muito sofrimento

Continuando a gemer….Lol

Gemer e gritar pela Vózinha….Lol

Chegada a um patamar lá no alto , com Mafra a ver-se ao Fundo.

Agora alguns Km por caminhos rurais para descansar do empeno

E depois do repouso , mais uma rampa

E o ataque a uma subida bem técnica antes do abastecimento dos 40Km

E foi tempo de hidratar e comer algo pois era o ultimo abastecimento de sólidos e ainda faltavam 20Km e uma longa subida para terminar.

E lá se arrancou para uma pequena descida.

Mas ainda havia mais um pedaço chato para fazer

Esta zona final da rampa tinha muito entulho e foi bom chegar á estrada na zona da Mata grande. Depois da estrada , teríamos o Ex-Libris da Adrenalina.

Não consegui tirar nenhuma foto , mas foram 2Km da fabulosa descida para Cheleiros , um single track tremendo , muito técnico mas que deu um gozo tremendo a fazer. Aqui já se tinha chegado a Cheleiros , estávamos perto do Castelo.

E foi altura de iniciar á volta de 2Km fabulosos junto ao Rio Lizandro com 3 travessias do mesmo.

Um pedaço de bom caminho para aliviar os pulsos….Lol

A 2ª travessia do Lizandro depois dos Cheleiros

E depois da travessia tivemos um soberbo singletrack sempre junto ao Rio , num sobe e desce constante até á ponte Romana

A beleza do caminho

Com partes técnicas pelo meio

E a chegada á lindissima Ponte Romana sobre o Lizandro

Momento Kodak

E lá se prosseguiu caminho

Momento Kodak na despedida do Rio Lizandro , junto ao Abastecimento de Líquidos do Km 45

Eventualmente o ultimo bocado de terreno melhor antes do empeno final

A partir daqui , tivemos alguns Km a direito , mas com muita pedra

E lá se teve de fazer pela vidita , e sofrer , os pulsos que o digam…Lol

Atravessando uma Lage de granito , já ia acompanhado por um colega que tinha furado ao Km 48 e que eu o ajudei a desenrascar.

A horrível subida de Casais de Cabreira

Esta teve de ser feita em 2 partes , que os bofes já iam de fora…Lol

Apesar de subir , aqui a coisa melhorou um pouco , mas ainda não tinha acabado

Uma descida carregada de pedra na parte mais inclinada , com a subida da pedreira logo a seguir

Este bocado foi horrível de fazer , também já havia algum cansaço

Já se via o fim do empeno , uff….lol

Depois da Codeceira , fomos por uns trilhos engraçados de regresso á Terrugem

A chegada á meta , junto com o Companheiro que ajudei no Km 48

Belo empeno , passeio bem giro , felizmente completado sem problemas

Alguns elementos do grupito de cerca de 10 Betetistas que viemos perto uns dos outros nos últimos 10Km

E depois da meta , o ultimo abastecimento , agua e alguma comida para recuperar.

Foi um passeio muito giro , pena só o facto de termos apanhado alguns km de trilhos que eu já conhecia de outros eventos que fui neste verão , o Passeio do Magoito e o passeio da Arrifana , os trilhos que não conhecia , tiveram pedaços soberbos , principalmente a loucura da descida para cheleiros , e aquele pedaço lindissimo depois , junto ao Lizandro até á ponte romana.
Os meus parabéns ao BTT Terrugem pela organização soberba deste evento , não faltou nada , excelentes marcações , abastecimentos em numero suficiente e muita simpatia e caras bonitas.
Obrigado , e Até uma próxima.

Ariz – Fonte Santa – Castelo

No passado dia 20 de Agosto de 2012 , aproveitando o ultimo dia de Férias em Ariz , fui com o Joaquim Teixeira dar uma das mais belas voltas nas redondezas da Aldeia.

Partindo de Ariz , na direcção de Pêra Velha , e depois para o penedo da Fonte Santa , um dos ex-libris da zona , que durante o verão deita de uns furos uma agua que se diz ser santa. Em virtude disso foi lá construída uma capela.

Depois fomos pela Serra na direcção do Povoado pré-histórico do Castelo de Ariz , e dai descemos o brutal single que vai dar aos Moinhos de Ariz e dai regressamos á aldeia.

A volta tem apenas 12Km e cerca de 300m de acumulado de subida

Deixo 3 videos com o resumo deste passeio e a beleza dos locais onde passamos.

PR2 Rota da Serra – Moimenta da Beira

No passado dia 19 de Agosto de 2012 , a matilha de amigos que arranjei nestas pequenas Férias no concelho de Moimenta da Beira , levaram-me a conhecer uma das célebres Voltas pela Serra da Nave e Leomil.
A ROTA DA SERRA – PR2 é um caminho pedestre ou ciclável que foi sinalizado pela Câmara de Moimenta da Beira e que pretende trazer ao concelho os amantes destas pequenas travessias.

Este passeio dá a Volta pelos estradões do alto da Serra da Nave e da Serra de Leomil , passa pelas Pedreiras de Ariz , Eólicas de Leomil , Alvite , Porto da Nave , Eólicas de Soutosa , Madeiros , Ponte Romana e regresso a Ariz.

Nesta volta fizemos um total de 39Km com 560m de Acumulado

Aqui a matilha pronta para o passeio. Leonel , Fernando Silva , Daniel Silva , Joaquim Teixeira , Fabrice , Manuel Silva e eu.

de seguida um VIDEO-REPORT com as 4 partes do passeio  para poderem admirar a beleza dos caminhos e das vistas.

ROTA DO DEMO

Em virtude de uns dias de férias no concelho de Moimenta da Beira , decidi experimentar no passado dia 17 de Agosto de 2012 , o trajecto da principal Maratona BTT de Moimenta , organizado pelo grupo PEDALADAS , e que tem o nome de ROTA BTT DEMO.
Peguei no Track GPS do evento de 2011 que passava exactamente na Aldeia onde eu estava de Férias e re-desenhei-o de modo a Iniciar o Percurso e a Finalizar o Percurso exactamente ali.
Entretanto , conversa puxa conversa , e sem querer reuniu-se uma “Matilha” de amigos e praticantes de BTT que por ali estavam tambêm de Férias , entre eles 1 elemento do PEDALADAS que se disponibilizaram para me acompanhar durante parte do percurso.

Normalmente este evento tem 2 trajectos , a Meia Maratona com cerca de 40Km e a Maratona com 75Km , eu acabei por fazer os 75Km .
Os dados desta Aventura:

Eu fiz um total de 77,60Km com um acumulado de 1506m.

Agora o FOTO-REPORT:

Aqui a foto da “Matilha” antes da Partida. da esq. para a dta:
Joaquim Teixeira , Manuel Silva , Fernando Mota da Silva , Daniel Silva e eu.

Partiu-se da Aldeia de Ariz na direcção dos Moinhos , aqui a passagem pelo campo de Futebol.

A beleza da paisagem da Serra da Nave , com todos estes penedos de granito.

Outro momento de muita beleza.

Já muito perto dos Moinhos de Ariz.

E a poucos metros dos Moinhos , atravessa-se a Ribeira dos Cubos e dá-se inicio ás Hostilidades com uma subida bem técnica e ingreme com cerca de 100m de D+

Nalguns pontos o piso é tão escorregadio devido ao cascalho que custa ter tracção.

Terminando a rampa no Povoado pré-histórico do castelo , seguiu-se em direcção á Serra de Leomil

Do Planalto da Nave até á serra de Leomil seguia-se um carrossel com um sobe e desce constante , mas com um piso bastante regular.

A subida para a Serra de Leomil

a meio da Subida para as Eólicas da Serra de Leomil , ao fundo.

Pequena pausa para tentar arranjar a roda da Bike do Quim pois ele tinha quase caído numa descida e fez um empeno na roda da frente.

E a chegada ás eólicas de Leomil com o Talefe perto , indicando o ponto mais alto da jornada , 1008m de altitude.

Enquadramento com as eólicas e as encostas do Douro ao fundo.

Uma tentativa de Foto de grupo no Talefe de Leomil

Depois iniciou-se um pincel de todo o tamanho , quase 2km de descida super inclinada , técnica e perigosissima para Leomil , aqui eu e o Manuel do PEDALADAS , que conhecia bem , esperando pelo resto da Matilha que vinha a descer muuuuuito devagarinho.

Chegando ao fundo em Leomil ,foi altura de Subir e de que maneira , aqui passando os Moinhos da Ti Antonina.

E depois o caminho tornou-se durissimo em direcção ao alto de carapito , se bem que um pouco antes desceu-se por outro single terrível que terminou na estrada que vem de Moimenta para a Aldeia da Serra.

Depois da estrada , nova descida terrível com pedra e rocha com fartura e demos nestes caminhos rurais na direcção de Moimenta da Beira.

Já dentro de Moimenta da Beira.

E paramos para o primeiro Abastecimento.

Depois arrancamos e por estrada fizemos a infindável subida para Caria e que termina no Sr dos Aflitos.

O Daniel no Sr dos Aflitos , esperando que todos chegassem. Aqui desistiram o Joaquim Teixeira e o Fernando Silva já com algumas caimbras . iamos com 30Km e cerca de 800m de D+

Depois seguimos por trilho em direcção á Lamosa e depois á Srª da Lapa.

O percurso estava a dar um gozo danado.

Chegando á Srª da Lapa.

E aqui fizemos uma pausa técnica para meter “óleo Sagres”….Lol

Foto de grupo junto á Igreja da Lapa , quando os meus 2 colegas devido a serem 12h , decidiram regressar para irem almoçar. Eu segui os últimos 35Km a solo.

Foto do que restou do Incêndio da véspera na igreja da Lapa, durante a Festa do Emigrante , devido ás muitas velas que foram acesas no interior da Capela .

Parado junto ás 3 cruzes da Lapa , e seriam um aviso para o que restava , ainda por cima feito na hora do meio do dia com muito calor.

O inicio da descida para a nascente do rio Vouga.

Muita adrenalina nesta descida com muitas lages de granito a embelezar o caminho.

O local onde nasce o Rio Vouga.

E toca a subir a Serra da Lapa , onde o terreno era bem mais complicado que na Serra da Nave e na Serra de Leomil.

Uma “Auto-estrada” , onde se viam vestígios de outros eventos.

Quase no alto da Serra da Lapa , a paisagem era deslumbrante.

A chegada ao Ponto mais alto da Serra da Lapa , o Posto de Vigia a 900m de altitude. ao fundo via-se a Serra da Estrela.

Outra vista no Posto de Vigia , com a Barragem da Fumadinha perto de Aguiar da Beira em fundo.

Continuando a desfrutar da beleza do caminho.

 Partir daqui deu-se inicio a 5km sempre a descer na direcção da Quinta da Carrasqueira onde iria atravessar o Rio Vouga.

Os primeiros metros da longa descida era fácil de fazer e dava para ir olhando o soberbo panorama.

Mas depois a coisa piorou até passar a aldeia de Pinheiros.

A partir de Pinheiros , tivemos que fazer os ultimos 2km da descida por todo o tipo de pedras e rochas e lages de granito. excelente.

E terminaram os longos minutos de adrenalina nesta ponte sobre o Rio Vouga , onde uns instantes de repouso foram necessários devido ás dores nos pulsos.

Agora haveria que se iniciar as subidas , e bem que me tinham avisado que o rei dos empenos era a rampinha desde o Vouga até Aguas boas….

Mas para já a coisa não parecia muito complicada , apesar de não estar a ver como ia passar para o outro lado da montanha….Lol

A entrada para uns caminhos rurais chatos de fazer devido ao piso por vezes muito mole.

Uma rampa com uma bonita paisagem de fundo.

Lindissimo.

Que cenário espectacular.

Eventualmente a ultima descida antes da tortura , do lado direito seguia o caudal do Rio Vouga , apesar de não se ver bem na foto.

Ia com 60Km mais ou menos e com cerca de 1100m de acumulado , quando iniciei a Longa subida para Aguas boas. primeiro com uma inclinação menos agreste , mas com um terreno difícil.

E lá se prosseguia a tortura que nunca mais tinha fim , debaixo de 40 graus sem ponta de vento.

E sobe , e sobe….

Felizmente a vista era deslumbrante , apesar de se saber que se tinha de passar para o outro lado da montanha…..

Fim do trilho mais técnico e inicio do estradão com melhor piso , mas onde a inclinação , quase sempre acima dos 20% , doeu e de que maneira….

Jasus , cada vez inclinava mais , e o calor era tanto….tive que fazer várias paragens para respirar melhor á sombra….lol

Depois de tanto subir , já se via de novo ao fundo o vulto da Serra da Estrela….

Mas ainda se estava longe do fim…

E finalmente la cheguei ao fim da Tortura…..350m de D+ numa única subida , com inclinações acima dos 20% na maioria da rampa e 40 graus de temperatura sem ponta de vento….que pena não haver um chafariz para enfiar a cabeça de baixo….Lol

De Aguas Boas , foi sempre por estradões Rurais até perto de Ariz.

Já muito perto de Ariz , a Ponte Romana sobre o Rio Paiva.

E a beleza do Caminho Romano.

A Chegada finalmente a Ariz , junto á Igreja.

Subindo para o alto da Aldeia pela rua do Forno Comunitário.

Já no alto da Aldeia de Ariz.

Descendo para a Rua do Outeiro onde iria terminar esta excelente aventura.

Foi um dia de BTT soberbo , conheci finalmente a dureza dos trilhos do Demo , e consegui vencer o Demónio.
Quem possa durante o mês de ABRIL participar nesta Maratona organizada pelos PEDALADAS de MOIMENTA DA BEIRA , sem dúvida que não se vai arrepender.

RESCALDO 2º Passeio BTT da ARRIFANA


Realizou-se no passado dia 5 de Agosto de 2012 a segunda edição do Passeio de Btt da ARRIFANA – Mafra que contou com a nossa presença com 3 elementos , Fernando , Vitor e Daniel Silva.

Este ano o percurso teve cerca de 46Km com passagem por trilhos muito agradáveis e com as várias passagens pelo Rio Lizandro a darem uma beleza muito especial ao evento. Apenas achei em demasia alguns Km iniciais por alcatrão , mas não sei até que ponto poderia ser dada outra volta que inclui-se menos estrada.
É sempre de saudar a organização do Evento , pela restante escolha do percurso , pelas boas marcações no global , eu levava o track no GPS e nunca necessitei de recorrer a ele para me orientar. Havia vários pontos de Agua e 1 abastecimento de Agua e Sólidos sensivelmente a meio.
Apenas achei que o Dorsal foi muito fraquinho , e senti a falta de “Barbeiro” numa descida logo na fase inicial , onde algumas Silvas deram alguns arrepius a quem teve de as enfrentar.

Como todos os Eventos realizados na Zona Oeste , este evento de “Passeio” teve pouco , pois a Orografia da zona , e os muitos trilhos técnicos , foram uma dificuldade já bem conhecida por quem tem o prazer de pedalar e descobrir a zona Saloia.

Agora os dados do evento:

 

Fizemos um total de 46,56Km com um Acumulado de Subida de 1105m.

 

Agora o FOTO-REPORT:

Vitor , Fernando e Daniel Silva alinhados apôs a recolha dos Dorsais.

Um aspecto geral do recinto

O Pessoal alinhado para a Partida.

Nós 3 já a postos para arrancar.

E lá se partiu , começando logo a subir a frio , como eu não gosto….Lol

Chegando ao Túnel sobre a Autoestrada.

E entramos em Mafra por estrada.

O Vitor e o Daniel em Bom Ritmo.

A passagem por mais um Túnel , e mais á frente entrou-se num Single longo com partes técnicas e onde a meio alguns ramos de Silvas que atravessavam o trilho criavam alguma adrenalina

Paragem por causa da Fila para atravessar um obstáculo

Entrada por esta espécie de Porta na vegetação.

E chegamos á primeira parede do dia , uma infindável rampa com boa inclinação com partes onde o piso de cascalho muito solto resvalava e fazia perder a tracção.

Chegando ao fim do primeiro empeno.

E lá veio nova rampa

E continua a subir , neste caso por alcatrão

E mais subida

Seguida de uma longa descida com partes bem técnicas na direcção da primeira travessia do Lizandro.

Aqui não havia chance , toca a carregar a menina á mão…lol

Momento Kodak

E toca de ganhar coragem para a parede terrível que ai estava.

Ui , que até doi…lol

Lá vai o Vitor a sofrer

Mais á frente uma improvisada ponte dava alguma adrenalina ao pessoal.

Momento de suspense , com o Daniel a tentar a travessia desta outra ponte improvisada , mas a coisa a correr mal e a bike escapou-se e foi por muito pouco que ele não foi de costas experimentar o solo.

E prontus , para se fazer mais de 1000 de D+ em 40 Km tinhamos mesmo de trepar , né….Lol

E nunca mais se via o fim ao empeno

Uma zona de carrossel junto á Autoestrada

Toca a aproveitar o estradão

Olha o belo do abastecimento.

E depois de saciados , lá partimos para mais uma sessão de parte-pernas-ó terapia….Lol

Num caminho rural na margem direita do Rio Lizandro

Vamos a dar ás canetas pessoal…lol

E depois da subida , lá se desceu novamente para as margens do Lizandro

Atravessando a Ponte para a margem esquerda

E lá seguimos alguns Km de relax ao lado do Rio

E lá se chegou á zona de diversão onde tivemos de por várias vezes atravessar o Lizandro.

Outra passagem , desta vez com direito a Foto.

Depois começamos a subir um pouco até um abastecimento de Aguas.

para logo se descer e atravessar novamente o Rio.

O inicio da ultima fase de subidas com cerca de 10Km sempre a subir , com algumas zonas bem chatas como esta

Continuando a ultima subida

Já se via Mafra ao Fundo

E sobe , e sobe….uff

Atravessando novamente a Autoestrada nesta ponte.

Agora uma zona de sobe e desce

Mas foi sol de pouca dura e lá se atacou o resto dos últimos Km sempre a subir

E aqui acabou o empeno , a partir daqui era sempre a descer para a Arrifana , tendo um ponto forte , umas escadinhas em rocha bem difíceis de fazer.

Eu no fim do empeno

Momento em que chegavam o Vitor e o Daniel.Foto final com o grupo reunido.

Resumindo , foi um evento que valeu a pena pela beleza de certas zonas , pena como disse , algum alcatrão a mais , mas no global o balanço é francamente positivo.